quarta-feira, 27 de março de 2013

Crentes folgados!!!

Crentes folgados

As igrejas no ocidente estão cheias de pessoas carregando uma Bíblia debaixo do braço, vestindo as melhores roupas e chegando aos templos evangélicos, para assistir aos cultos dominicais, bastante preocupadas com o que almoçarão depois e com os programas da TV que irão assistir, durante e após o almoço, ficando diante da “deusa familiar”, até a hora do culto vespertino, pois “ninguém é de ferro”!
Estes crentes seriam classificados como “mornos” pelo Senhor; suas igrejas se assemelham à “igreja de Laodiceia” com pastores espiritualmente míopes, cujo objetivo maior é ver todos os bancos lotados, o gazofilácio repleto de cédulas e uma conta bancária de dar inveja a qualquer pessoa.
Será que os pastores e membros dessas igrejas vão ser arrebatados? Provavelmente sim, pois o Senhor estava falando exatamente para gente desse tipo, na 1 Coríntios 15:51-55: “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?”
Mas, na hora de enfrentar o “Tribunal de Cristo,”, haja fortes puxões de orelhas e caras envergonhadas, diante de uma multidão de santos redimidos (Senhor, tem misericórdia de mim!).
Os crentes mornos são os que mais disputam cargos nas igrejas. Eles nunca leem o Livro de Atos, buscando o exemplo de como os cristãos primitivos se comportavam. Consideram-se mais ungidos pelo Espírito Santo do que os crentes que ficam assentados, lendo a Bíblia, enquanto aguardam o início do serviço religioso. Olham os irmãos com um ar de superioridade e não os cumprimentam, pois se sentem importantes demais para esse gesto de “humilhação”. Quando encontram os irmãos nas ruas da cidade, eles se desmancham em gentileza, como se a rua fosse um lugar ideal para se demonstrar amor, e a igreja, para demonstrar superioridade.
Outro detalhe é que eles nunca observam as heresias faladas no púlpito, pois, além de serem primários no conhecimento bíblico, estão de tal modo preocupados com os seus cargos que não pensam em coisa alguma, além destes. Cantam (e até dirigem) corinhos repletos de heresias e erros gramaticais, porque toda a igreja está cantando e eles nunca se detêm para analisar o conteúdo lírico desses cânticos, contanto que a música seja moderna e agradável.
Muita gente boa vai ficar, depois do Arrebatamento. Quem vive dizendo que crê em Cristo e no Seu sacrifício vicário na cruz, mas só diz isso da boca para fora, enquanto não crê de todo o coração (conforme Romanos 10:9-10), vai ficar para enfrentar o Anticristo. A maioria dos esquentadores de bancos vai enfrentar o fogo da ira divina, que vai ser derramada contra a igreja incrédula, que se dobra diante do “deus deste século”, esquecendo o único Deus verdadeiro.
Quando assumiram a fé em Cristo, muitos desses crentes realmente começaram a amar ao Senhor. Mas, os cuidados do mundo os afastaram desse “primeiro amor” e se não se arrependerem amargamente do seu afastamento da presença de Deus, irão “comer o pão que o Anticristo vai amassar”, com as suas mãos tintas do sangue dos inocentes...
Ter um cargo na igreja não significa estar realmente em comunhão com o Dono da igreja. O que nos coloca mais perto Dele é ler, meditar e obedecer a Sua Palavra, pois o Supremo Juiz vai usá-la contra nós, na hora do julgamento (João 12:48).
Crente, preocupe-se mais com a leitura da Bíblia e muito menos com o seu status dentro da organização eclesiástica. Escute o que o Senhor Jesus vai dizer a um crente folgado, como você: “Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres” (Apocalipse 2:5). Observe que as obras aqui mencionadas são aquelas do tipo citado por Cristo em João 17:4;6-a, ou seja: “Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer... Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste”.

Mary Schultze, 23/02/2011 – www.maryschultze.com

segunda-feira, 18 de março de 2013

quinta-feira, 7 de março de 2013

Jesus Liberta...: Jesus Liberta...: Dizimar não é uma doutrina cris...

Jesus Liberta...: Jesus Liberta...: Dizimar não é uma doutrina cris...: Jesus Liberta...: Dizimar não é uma doutrina cristã. : Dizimar não é uma doutrina cristã. Introdução: Este ensaio é um resumo do meu li...

QUEM FOI O GRANDE: JAN HUS "O GANSO"


Jan Hus
Outros nomesJoão Hus, João Huss
Nascimento1369
Husinec
Flag of Bohemia.svg Reino da Boêmia
Morte6 de julho de 1415 (46 anos)
Constança
Banner of the Holy Roman Emperor (after 1400).svg Sacro Império Romano-Germânico
OcupaçãoPensador e reformador
Influências
Influenciados
Escola/tradiçãohussita
Principais interessesTeologia
Jan Hus (Husinec, 1369 - Constança, 6 de Julho de 1415) foi um pensador e reformador religioso[1]. Ele iniciou um movimento religioso baseado nas ideias de John Wycliffe. Os seus seguidores ficaram conhecidos como os hussitas. A Igreja Católica não perdoou tais rebeliões e ele foi excomungado em 1410. Condenado pelo Concílio de Constança, foi queimado vivo.
Um precursor do movimento protestante (ver: Reforma Protestante), a sua extensa obra escrita concedeu-lhe um importante papel na história literária checa. Também é responsável pela introdução do uso de acentos na língua checa por modo a fazer corresponder cada som a um símbolo único. Hoje em dia a sua estátua pode ser encontrada na praça central de Praga, a Staroměstské náměstí (Praça da Cidade Velha).

Índice

 Sua infância e estudos

Jan Hus,(ou mais conhecido por João Huss) o famoso reformador da Boémia, nasceu em Husinec (75 km s. s. w. de Praga) possivelmente a 6 de Julho de 1369, como se acredita, tendo sido queimado vivo em Constança a 6 de Julho de 1415. O nome Hus é a abreviação do seu lugar de nascimento, feita pelo próprio, em cerca de 1399; anteriormente era conhecido como Jan Husinecký, ou, em Latim, Johannes de Hussinetz. Seus pais eram checos de poucas posses.
Teve de ganhar a vida cantando e prestando serviços na Igreja. Sentiu-se atraído pela profissão clerical não tanto por um impulso interior mas pela atracção de uma vida tranquila como clérigo. Estudou em Praga, onde teria estado por volta dos anos 80. Foi grandemente influenciado por Stanislav ze Znojma, que mais tarde se tornaria seu amigo íntimo e finalmente um grande inimigo. Como estudante, Hus não mostrou grande distinção. Nos seus escritos usava frequentemente citações de John Wyclif. Era uma personalidade de temperamento quente. Em 1393 ele fez o Bacharelado em Letras, em 1394 o Bacharelado em Teologia, e em 1396 O Mestrado. Em 1400 foi ordenado padre, em 1401 tornou-se reitor da faculdade de Filosofia, e no ano seguinte foi reitor da Universidade Carlos. Em 1402 foi nomeado também pregador na Igreja de Belém em Praga, onde pregava em língua checa.

 Influência de Wyclif na Boémia

No seguimento do casamento da irmã do rei Venceslau, Anne, com Ricardo II de Inglaterra em 1382, os escritos filosóficos de Wyclif tornaram-se conhecidos na Boémia. Como estudante, Huss tinha sido atraído por eles, particularmente pelo seu realismo filosófico. A sua inclinação para as reformas eclesiásticas foi despertada pelos escritos teológicos de Wyclif. O chamado Hussismo das primeiras décadas do século XV não era mais do que Wyclifismo transplantado para solo Boémio. Como tal, continuou até à morte de Hus, tornou-se depois Utraquismo e seguidamente Taboritismo (ver também: Guerras Hussitas).
Preparação da execução de Jan Hus.
Os escritos teológicos de John Wycliffe espalharam-se rapidamente pela Boémia, trazidos em 1402 por Jerônimo de Praga, renomado bacharel que havia estudado na Universidade de Oxford (onde Wyclif lecionara no século XIV) e que, mais tarde, tornou-se amigo e seguidor de Huss. Tais escritos causaram profunda impressão em Hus. A Universidade decretou-se contra as novas doutrinas, e em 1403 proibiu uma disputação sobre 45 Teses tiradas em parte de Wyclif. Sob a tutela do Arcebispo Zbyněk Zajíc (desde 1403), Hus gozou inicialmente de boa reputação. Em 1405 ele estava activo como pregador sinodal, mas o bispo foi forçado a depor contra ele devido aos ataques dele contra o sacerdócio.
Hus pregava o Sacerdócio Universal dos Crentes, no qual qualquer pessoa pode comunicar-se com Deus sem a mediação sacramental e eclesial.
Antes de ser queimado, Hus disse as seguintes palavras ao carrasco: "Vocês hoje estão queimando um ganso (Hus significa "ganso" na língua boêmia), mas dentro de um século, encontrar-se-ão com um cisne. E este cisne vocês não poderão queimar." Costuma-se identificar Martinho Lutero com esta profecia (que 102 anos depois pregou suas 95 teses em Wittenberg), e costumeiramente se costuma identificá-lo com um cisne.