sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O que é Batismo do Espírito Santo?


O que é batismo do Espírito Santo?

Existe hoje muita confusão a respeito do batismo do Espírito Santo, principalmente por aqueles que pensam que "batismo do Espírito" significa alguma experiência de êxtase sobrenatural. Mas na Bíblia não encontramos isto.

O batismo do Espírito Santo aconteceu no dia de Pentecostes, quando todos aqueles que estavam reunidos no andar superior da casa receberam o Espírito Santo. Então o Espírito Santo "encheu toda a casa" (At 2.2), e encheu a cada um, individualmente, dos que estavam na casa (versículo 4). "Línguas repartidas" poderia significar o propósito de Deus em tornar, tanto judeus como gentios, um em Cristo, enquanto que o fato de elas serem "como de fogo" (figura de um juízo), nos lembra que "a santidade convém à Tua casa, Senhor, para sempre" (Sl 93.5). Isto se tornou evidente no julgamento de Ananias e Safira (Atos 5). Algo similar ao batismo do Espírito Santo aconteceu quando os gentios foram recebidos publicamente em Atos 10.44 e 11.15. É a isso que se refere 1 Coríntios 12.13, quando foi dada a Paulo a revelação da verdade da Igreja como corpo de Cristo.

Uma vez tendo sido formada a Igreja, o batismo do Espírito Santo já não se repete em nossos dias. Os crentes agora são "acrescentados", à medida que cada um recebe o Espírito Santo individualmente, como consequência de sua fé em Cristo e na Sua obra (Efésios 1.13).

É importante ressaltar que o Espírito não é mais comunicado pela imposição de mãos. Além do mais, mesmo na igreja primitiva, o Espírito nem sempre era comunicado desta forma (Atos 10.44), mas Deus usou este meio em ocasiões especiais para evitar que na Igreja existissem grupos de nacionalidades distintas, independentes uns dos outros. Cumpria‑se, assim, João 11.52. Vemos isto quando os Samaritanos são recebidos na Igreja (Atos 8.17). O mesmo acontece quando Saulo de Tarso foi recebido, a fim de que pudesse reter a verdade de que os crentes em Cristo são um com Cristo, e para que pudesse identificar‑se com eles (Atos 9.4,28). Vemos novamente isto quando alguns gentios, que conheciam apenas o batismo de João, foram recebidos (Atos 19.16).

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

O que significa o lava-pés?


O que significa o lava-pés?

O lava‑pés é, em sua essência, um costume tipicamente judaico, que está ligado à purificação. Para nós, cristãos, que já estamos purificados totalmente (Jo 13.10), basta lavar os pés. Mas pessoalmente não creio que seja no sentido de passar águas nos pés, mas em dois sentidos principais. Primeiro, no sentido de servirmos, nos considerando menores do que nossos irmãos (Jo 13.15‑17; Rm 12.10).

A importância do ato não estava em se colocar água numa bacia e lavar os pés daqueles homens, mas em QUEM estava fazendo aquilo. Se Ele chegou a fazer tal coisa, tendo que se curvar diante das Suas próprias criaturas, na condição de um Servo, o que não devemos fazer para imitá‑Lo. "Porque eu vos dei o exemplo, para que, COMO EU FIZ (e não o que eu fiz), façais vós também." (Jo 13.15).

O outro significado diz respeito ao nosso andar neste mundo. São os nossos pés que ficam em contato com o pó deste mundo, que se apega a nós. Quando um irmão vem me falar do Senhor e de como vale a pena segui‑Lo, sinto como se ele estivesse me lavando os pés. O seu ministério está tirando a poeira (as coisas deste mundo) que estava grudada em mim. Quão bom se tivéssemos mais deste lavar de pés com a água mais pura que é a Palavra de Deus! (Ef 4.26).

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Como saber se vem do Espírito Santo?


Como saber se vem do Espirito Santo?

No mundo confuso das religiões cristãs hoje é natural que você esteja com essa dúvida: Como saber se uma manifestação é do Espírito Santo, quando estamos congregados? Creio que a resposta esteja aqui: 1Co 12:7 "Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil".


A primeira pergunta que devemos fazer é: Que utilidade tem isso? Será que está sendo útil para a edificação, exortação ou consolação dos irmãos?

Uma pessoa que começa a urrar, pular, rolar ou engatinhar pelo chão, ou girar como um pião, não tem utilidade alguma, apesar de parecer uma manifestação espiritual. Alguém gritando a todo pulmão palavras irreconhecíveis pode assustar muita gente, mas não passa de uma grande inutilidade. Tudo isso pode muito bem ser descrito com as palavras ditas pelo apóstolo Paulo: 1Co 9:26 Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar (ou dando socos no ar). 

Além disso, depois de dizer que "a manifestação do Espírito é dada a cada umpara o que for útil", o apóstolo continua descrevendo alguns dons e suas utilidades:

1Co 12:8a Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria;

Palavra da sabedoria: capacidade de falar com uma sabedoria que está acima da própria capacidade daquele que fala. Foi o caso de Filipe, que causou um efeito tremendo sobre os que o ouviam em Atos 6:10.

Ats 6:10 E não podiam resistir à sabedoria, e ao Espírito com que falava. 

1Co 12:8b e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência

Palavra da ciência (ou conhecimento): Trazer à tona coisas desconhecidas ou conhecidas por poucos. Talvez aqui esteja também a capacidade espiritual de revelar o sentido das coisas que foram reveladas, mas não compreendidas, como em associar o Antigo com o Novo Testamento ao mostrar a sombra e a realidade.

Mat 13:51-52 E disse-lhes Jesus: Entendestes todas estas coisas? Disseram-lhe eles: Sim, Senhor. E ele disse-lhes: Por isso, todo o escriba instruído acerca do reino dos céus é semelhante a um pai de família, que tira do seu tesouro coisas novas e velhas. 

1Co 12:9a E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé

Fé: Paulo associa a fé em 1 Co 13:2 à capacidade de remover montanhas, ou seja, uma pessoa que recebe a fé (não é fé no sentido da salvação aqui, mas da realização de uma tarefa específica e maravilhosa) tem essa capacidade. Quando lemos biografias de cristãos que oravam e as coisas aconteciam de maneira inacreditável, provavelmente eram pessoas com esse dom. É importante entender isso, porque às vezes ficamos frustrados porque nada obtemos pela fé e esses pareciam ter um poder maior do que o nosso. É aí que entra o dom, que o Espírito distribui a cada um segundo Ele quer e para um objetivo determinado por Deus, não por nós. Não se trata de ter fé para comprar carro de luxo.

1Co 12:9b e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar

Dons de curar: O interessante aqui é que está no plural, o que parece indicar que fossem dons para tarefas específicas. Temos exemplos do apóstolo Paulo. Em uma ocasião ele aparece curando enfermos e em outra precisa deixar um irmão doente para trás ou sugerir a Timóteo que tome água com vinho para sua enfermidade no estômago. Isso parece indicar que dons de curar são dados com objetivos bem definidos. Não se trata de uma capacidade que dá à pessoa o poder de curar quem bem entender, como se fosse um curandeiro. Não podemos comparar esses dons de curar com o que o Senhor Jesus fez aqui. Ele não tinha dons como são os distribuídos pelo Espírito Santo; Ele era o próprio Deus exercendo Seu poder e em Efésios vemos que Ele dá dons aos homens.

1Co 12:10a E a outro a operação de maravilhas

Operação de maravilhas: coisas inexplicáveis, como levantar mortos, escapar sem ser visto, ser picado por serpente e não morrer etc. Temos vários exemplos em Atos.

1Co 12:10b e a outro a profecia

Profecia: aqui eu creio tratar-se de revelação mesmo, da verdade comunicada diretamente por Deus, e não apenas de proferir algo da parte de Deus com base na Palavra escrita, que é como usualmente fazemos hoje. Podia ser algo sobre o futuro (como João, ao escrever o Apocalipse) ou simplesmente o pensamento que Deus queria comunicar. Os profetas formaram o fundamento da igreja (Ef 2:20) e agora somos edificados sobre esse fundamento que eles deixaram. Uma vez que temos a Palavra de Deus completa, não há necessidade de se esperar por uma nova revelação. Correr atrás de supostas novas revelações é demonstrar insatisfação com o que já recebemos de Deus.

1Co 12:10c e a outro o dom de discernir os espíritos

Dom de discernir os espíritos: este dom eu acredito que tem o seu lugar sempre pois precisamos de irmãos que apontem quando alguém fala pelo Espírito ou está sendo influenciado por Satanás. Paulo usou esse dom quando desmascarou a jovem que o seguia dizendo coisas que para um ouvinte comum pareciam estar promovendo o trabalho do evangelho. At 16:17 Hoje muita gente carece desse dom e acabam engolindo qualquer bobagem que traga o selo evangélico ou cristão. O fato de algo aparentar ser espiritual não significa que venha de Deus. Lembre-se de que Satanás é um anjo.

1Co 12:10d e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas

Variedade de línguas e interpretação: Parecem ser dons que caminham juntos, pois a Palavra em 1 Co 14 proíbe o falar em línguas se não existir quem interprete. O dom de falar em línguas não é ficar balbuciando alguns "uriama lamás" e sim falar um idioma estrangeiro sem nunca ter tido uma aula disso. O mesmo acontece com o dom de interpretar. Mas esse dom teve o seu papel para o início da Igreja, que era o de convencer os judeus que aquela era uma obra de Deus. Não vejo utilidade num dom assim hoje e nunca vi numa reunião de cristãos alguém que falasse cumprindo as ordens dadas em 1 Co 14: Falar dois ou três no máximo, um depois do outro, ter quem interprete e as mulheres permanecerem caladas. Fora isso, ainda cabe a pergunta: está sendo útil para convencer judeus?

1Co 14:21 Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo [judeus]; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor. 

jesusliberta: Devemos elogiar Pessoas?

jesusliberta: Devemos elogiar Pessoas?: "Devemos elogiar as pessoas?O bom senso diz que o elogio é extremamente importante na construção da auto-estima e até para ajudar alguém a s..."

Devemos elogiar Pessoas?


Devemos elogiar as pessoas?

O bom senso diz que o elogio é extremamente importante na construção da auto-estima e até para ajudar alguém a sair de uma depressão. Elogiamos nossos filhos quando estudam e passam no exame, pois é uma espécie de prêmio: eles se esforçaram e recebem o justo louvor por isso. O problema é quando o elogio ocorre nas coisas de Deus. Aí estamos andando em areia movediça achando que é terreno firme.


Primeiro vamos ver o lado do que é elogiado. Uma das características dos fariseus que a Palavra aponta era que gostavam de ser elogiados pelos homens. Não gosto da Tradução na Linguagem de Hoje, mas vou usá-la aqui porque usa a palavra elogio ao invés de glória, e assim fica mais claro diante de sua dúvida: Jo 12:43 "Eles gostavam mais de ser elogiados pelas pessoas do que de ser elogiados por Deus". 

Depois de ler este versículo, da próxima vez que você for elogiado por algo que fez na obra de Deus, vai perceber o que é sentir-se como um fariseu. Você vai gostar, porque gostar de elogios é um sentimento natural ao ser humano. Mas devemos nos lembrar de que foi essa mesma natureza nossa que ficou lá atrás, pregada na cruz.

Gál 2:20  Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.  
Gál 6:14  Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. 

O sentimento adequado ao cristão é o que foi expressado pelo apóstolo Paulo em 1Ts 2:6 "Nunca procuramos elogios de ninguém, nem de vocês nem de outros", e também pelo Senhor Jesus em Joã 5:41 "Eu não procuro ser elogiado pelas pessoas". Tal sentimento, obviamente, não é um sentimento da carne, mas da natureza que provém de Deus, do homem em quem Deus se apraz. É bom nos lembrarmos disso na hora de elogiarmos um irmão em Cristo; pode causar mais mal do que bem ao coração dele.

Mas você também encontra situações de elogio na Bíblia, como é o caso de1Co 11:2 "Eu os elogio porque vocês sempre lembram de mim e seguem as instruções que eu passei para vocês", e também de 2Co 7:14 "Eu havia falado muito bem de vocês a ele, e vocês não me desapontaram. Temos sempre dito a verdade a vocês. Assim também é verdadeiro o elogio que fizemos a Tito a respeito de vocês".

É o caso também de 2Co 9:3 "Agora estou enviando estes irmãos para que não fique sem valor o elogio que fiz a respeito de vocês sobre esse assunto. Mas, como eu disse, vocês estarão prontos para ajudar", mas estas passagens parecem indicar que Paulo apenas revelou às pessoas que as havia elogiado para outras pessoas, ou seja, aqui ele estaria mais informando que em determinado momento fez um elogio a terceiros do que propriamente elogiando.

Eu acho que o mais prudente é andar sobre ovos quando o assunto for elogiar alguém nas coisas de Deus, pois posso estar criando nessa pessoa o sentimento de ela se achar alguém, e bem sabemos que não é assim. Se um irmão ou irmã faz algo no Senhor, é no Senhor que faz... "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas" Ef 2:10.

Em Mt 11:2 João Batista, que estava preso, envia seus discípulos a Jesus para perguntarem se ele era mesmo o Messias ou se deviam aguardar por outra pessoa. O Senhor responde, porém espera eles irem embora antes de começar a falar bem de João Batista. Mat 11:7 "Ao partirem eles, começou Jesus a dizer às multidões a respeito de João".

Antes de me apartar das denominações para congregar somente ao nome do Senhor, cheguei a congregar por alguns meses em uma denominação "conceituada", e uma das coisas que contribuíram para que eu saísse dos sistemas criados pelos homens foi um culto de transferência de pastor que assisti em Brasília. Foi uma rasgação de seda tamanha, que criou em mim um sentimento de nojo.

O pastor que deixava o cargo e o que assumia pareciam estar competindo para ver quem elogiava mais o outro em seus discursos. Eu, novo convertido e sedento de ouvir falar de Jesus, senti-me numa churrascaria rodízio: era só carne que passava de um lado para o outro. Saí dali com fome e sede de Jesus, pois naquela noite deu para perceber que ali havia duas pessoas que se consideravam mais importantes que Jesus, e a festa era deles.

No meio religioso a bajulação é uma instituição que está tão arraigada nos costumes que a maioria dos cristãos nem percebe mal nisso. Parece até uma obrigação exaltar um irmão por sua fidelidade, seu empenho nas coisas de Deus, sua pregação etc.Uma vez ouvi falar de um irmão que tinha acabado de pregar o evangelho e foi abordado por uma irmã que teceu comentários maravilhosos sobre sua pregação, sua maneira de falar, seu talento etc. Quando ela terminou, o irmão simplesmente lhe disse: "Irmã, Satanás já tinha me dito tudo isso ali atrás, enquanto eu pregava".